Sons

Sons

No início não brigavam nunca; todos os momentos eram risos e beijos estalados e suspiros. Os soluços vieram um pouco depois, sempre após batidas de portas e passos raivosos e copos quebrando na parede. Mas em seguida vinham os toques insistentes do telefone e as conversas sussurradas e as pedrinhas altas horas na janela. E então mais risos, mais beijos estalados, mais suspiros, mais e mais.

Táscia Souza

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *