Réquiem

Réquiem

Por vezes acionava o repeat do aparelho e ouvia a mesma música de novo e de novo. Por horas. Era como se, naqueles dias, só aquela música falasse, mais nenhuma. Não que fosse surdo para as outras; as outras músicas é que eram surdas para sua dor. Ou para sua alegria, ou para o seu amor. Os sentimentos variavam; só a música do dia é que era sempre a mesma.

Na noite em que o botão tão acionado emperrou, adormeceu chorando em silêncio.

Táscia Souza

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *