Sonhar acordado

Sonhar acordado

A pior pergunta que poderiam lhe fazer era sobre os sonhos, daqueles que se têm de noite, ou que Freud explica. Alguns contavam de realidades alternativas, outros de situações surreais ou até de boas experiências tão realistas que até duvidavam quando acordavam. Ele nunca sonhava, com nada, e por isso tinha sempre que inventar alguma história pra não ficar de fora da conversa.

Quando jovem, naquela idade dos hormônios, teve taquicardias por uma menina que depois virou moça e continuou na vida dele, mas nunca como ele gostaria. Sempre que alguém lhe perguntava sobre os sonhos, da noite ou do futuro, gostaria de responder com o nome dela, mas nunca.

Uma noite sonhou. E com ela. Nem era noite ainda, aliás, nem no ainda estava: foi na sesta, mas fez tanta força pra continuar sonhando que emendou. Uma parte de si ouviu o galo cantar ao longe, depois o despertador um pouco mais perto, mas soube negociar com Morfeu e continuou dormindo. E assim foi, sem acordar, o resto da vida sonhando com ela.

Gustavo Burla

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *