Excesso de bagagem

Excesso de bagagem

Abriu o bloco de notas do celular para o checklist da viagem. Camisas, uma para cada dia. Confere. Duas calças. Confere. Cuecas. Confere. Meias confere. Desodorante, polvilho antisséptico, casaco, carteira, passagens, passaporte, seguro-saúde. Confere. E a nécessaire de medicamentos: analgésico para dor de cabeça, antiácido para o estômago, pílulas de leite de magnésia para prisão de ventre, antialérgico para as crises de rinite, xarope para eventuais tosses, anti-inflamatório e antibiótico caso a reincidente faringite resolvesse atacar, pomada contra frieiras se o excesso de calçado fechado o dia inteiro reavivasse aquele coceirinha renitente e descamante entre o quarto e o quinto dedos do pé esquerdo. Confere.

O zíper da mala, contudo, não concordou. O homem tentou puxar com jeitinho e depois usando força mesmo. Tentou sentar em cima da bagagem, tentou refazer a arrumação, tentou dobrar as roupas em rolinhos para ocupar menos espaço. Nada. A farmácia disfarçada de nécessaire simplesmente não cabia.

Ele olhou para o relógio, um pouco aflito. Em dez minutos o táxi que havia chamado pelo telefone passaria e, uma vez atrasado, com certeza perderia o voo. Mas como partir sem os medicamentos? E se tivesse uma enxaqueca, um choque anafilático, uma congestão? E se a maldita coceira entre o quarto e o quinto dedos cismasse em se manifestar?

Não viajo sem meus remédios, decidiu, enchendo um copo d’água, o maior que tinha. E mais outro e outro, quantos foram exigidos para engolir cada um dos comprimidos e ainda tirar o sabor nauseante da mistura de xarope e pomada de frieira da boca.

Parado irregularmente sobre a calçada em frente ao endereço transmitido pela central telefônica, o taxista chegou a esperar alguns minutos pelo passageiro. Até que se cansou e acelerou irritado pela corrida perdida.

Táscia Souza

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *