Dilúvio

Dilúvio

Desde criança, tinha medo do vazio. Medo que ninguém entendia que era medo; que foi confundido, vezes sem conta, por travessura de menina, como quando encheu todos os copos da casa com água até a boca, ou quando rabiscou as paredes recém-pintadas, ou quando acionou um após outro todos os brinquedos musicais que havia em seu quarto só para preencher o silêncio.

Essa menina é tão criativa!, diziam os professores na escola, quando cresceu um pouco, diante das redações que ocupavam cada pedacinho da folha branca. Não era. Mas a folha representava uma ameaça e era o temor, não as ideias, aquilo que a fazia escrever e escrever e escrever até que suas frases infestassem cada espaço.

Adulta, no dia em que se viu sem palavras, choveu sobre o papel.

Táscia Souza

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *