Sabiá

Sabiá

O sol ainda não havia raiado quando o canto começava. Ela, menina da cidade, não reconhecia qualquer espécie de pássaro e não saberia apontar um sabiá-laranjeira se visse um. Mas, despertada fora de hora toda madrugada pela cantoria, identificava aquele sem vê-lo, só pelo ouvido, porque sua música era igualzinha à melodia triste que de vez em quando soava pelas caixas de som do velho toca-discos do avô, uma cuja letra falava de alguém com saudade de casa.

Quando finalmente amanhecia, porém, e o trinado dava lugar ao batucar do bico na vidraça da janela, ele não entrava, mesmo depois que ela a abria num ato de desespero para que ele a deixasse dormir. Custou-lhe entender que a casa da qual o sabiá sentia falta não era a sua. Que o que ele procurava bicando o vidro era outro, semelhante a ele. Na solidão do quarto que ia sendo iluminado pelos primeiros vislumbres do alvorecer, ela tinha pena, porque sabia que esse tipo de lar era bem mais difícil de encontrar.

Táscia Souza

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *