Aion (ou A Eternidade)

Aion (ou A Eternidade)

Quando Chronos – o Tempo – e Ananké – a Inevitabilidade – se apaixonaram, não criaram apenas o mundo. Desconheço as formas como os homens vertem e subvertem seus mitos, mas no princípio também havia o Amor. E dessa espiral romântica que explodiu e originou o universo, ordenando-o em terra, céu e mar, nasceu Kairós, o filho do Tempo. O pedaço do Tempo em que algo indeterminado acontece. O pequeno fragmento do Tempo, o instante que é também o próprio Tempo.

A Oportunidade.

O primogênito tão aguardado, tão ansiado… Tão desejado que ninguém esperava que um segundo bebê estivesse prestes a romper o ventre do inevitável também. Mas foi assim mesmo que eu nasci, eternamente tentando segurar Kairós pelos pés.

Táscia Souza

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *