Intensidade

Intensidade

Vivia hiperbolicamente. Tudo o que decidia era sempre muito. Quando resolveu correr, foi maratona; nadar, do Leme ao Pontal; beber, só galões e barris; amar, uma multidão; viajar, volta ao mundo. Parecia estar sempre Em busca do tempo perdido (que, aliás, leu em um Carnaval).

Um dia resolveu dormir. Primeiro, comeu feito um urso antes do inverno. Tomou banho como se a caixa d’água do prédio fosse sua. Ajeitou a cama, afofou fartamente o travesseiro, deitou e adormeceu. Ao acordar, percebeu que, se tivesse trabalhado, estaria aposentado, mesmo depois da reforma da Previdência.

Gustavo Burla

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *