Passeio no parque

Passeio no parque

Mais um final de tarde quente, parque cheio, pessoas saindo do trabalho, da escola e para passear com o cão. Sentou em um banco depois de limpar, acomodou a bolsa de trazia no ombro e contemplou os passantes. Cumprimentou outros velhos, assíduos nas mesas de dama ou nos bancos das senhoras que trocavam gorjetas por carícias. Escutou buzinas, motores, vozes e o arrulhar das pombas.

Tirou um punhado de milho da bolsa, que caiu no chão entreaberta. Foi devagar, lançando caroços aleatórios para atrair as aves. Pelo canto do olho vigiava a bolsa e lançava frações do punhado, até acabar. Logo estava cercado por vários tons de cinza, mostrando os dentes amarelos enquanto via uma pomba esperta entrando para buscar mais comida na fonte. Com inesperada presteza, fechou a bolsa, pousou-a no ombro e foi para casa jantar.

Gustavo Burla

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *