Com defeito

Com defeito

Jackson. Era esse o nome de seu personal entertainer, estrangeirismo cuja tradução podia ser resumida como “um dos camelôs que vendia, diariamente, filmes piratas na Rua Augusta”. Jackson era refinado. Jackson não comercializava só o acervo de indicados ao Oscar, mas conhecia os exibidos pelo festival Varilux e tinha metade deles entre seus produtos. Sem falar que fora Jackson quem lhe recomendara, num dia em que ela levara de presente para ele uma dezena de cópias já assistidas que não fazia questão de guardar, um documentário nacional sobre Cora Coralina. 

Não foi sem razão, portanto, que ela ficou estupefata quando notou que o DVD de Bohemian Rhapsody que recém-adquirira de Jackson tinha legendas em russo e coreano. Mesmo que ela soubesse alguma das duas línguas, as subscrições se sobrepunham, até se tornarem uma massa indistinta de cirílico e hangul. Confiava em Jackson e na qualidade de seu trabalho. Acreditava, sobretudo, em sua honestidade. Como podia, logo ele, ter-lhe vendido uma cópia tão incompreensível?, perguntou-se, sem nem perceber que a dublagem era em português. 

Táscia Souza

Pés trocáveis

Pés trocáveis

Cansado de sentir dores nos pés? Bolhas, calos, torções constantes? Mancando o dia todo e trazendo problemas pra coluna? Está assim porque quer… ou porque não conhece a Footchange! Aqui na Footchange você traz os seus pés e troca por novos! Sim, um novo par de pés novinhos em folha ou, o que é melhor ainda, já usados e experimentados para o seu tipo de trabalho. Temos pés de corredores, carteiros, passadeiras de roupa, playboys e bailarinas. Isso pra não falar da novidade: pés de propaganda de chinelo. Se sua preocupação é ter o pé bonito, pode chegar logo e trocar os seus pés feios pelos lindos pés que participam de propagandas de chinelo! Sabe seu dedinho torto? Sua unha encravada? Tem pé pronto pra te dar um sossego, é só escolher. E se você quer parecer  trabalhador, ficar de pernas pro ar por um motivo justo, também temos pés de trabalhador, é só escolher. Aqui você paga pelo tempo que usar! Venha logo, nosso estoque é limitado, nossos pés são de verdade!

Gustavo Burla

Sete ondas

Sete ondas

Estava escrito no manual de prosperidade que ela decorara ao longo de dezembro: “quando pula as sete ondas no mar, você invoca os poderes de Iemanjá para abrir caminhos para o próximo ano”. Foi com isso em mente que ela própria abriu caminho entre a rebentação e se posicionou, com a água um pouco acima da cintura, de frente para o horizonte, à espera do septeto que transformaria sua vida a partir da meia-noite. 

Na primeira, que suavemente levantou seus pés do fundo, pediu saúde, para si e para a família. Na segunda, um pouco mais alta — o que considerou uma sorte, se o tamanho da onda pudesse ser diretamente proporcional à realização do desejo —, invocou a promoção tão desejada no emprego. Terceira, quarta e quinta, porém, vieram tão rápidas que mal teve tempo de almejar paciência, sabedoria e uns quilos a menos antes que a sexta chegasse e ela suplicasse que a Rainha do Mar lhe enviasse toda a energia possível para encontrar um grande amor.

A energia veio, de fato, com força, quebrando em cima dela e a arrastando, não sem antes virá-la do avesso, até a faixa de areia. 

Ao contrário do plano, foi a sétima onda que a pulou, uma marola de espuma, enquanto o único desejo restante foi levantar com alguma dignidade dali.

Táscia Souza