Author Archives: hupokhondria

Telemarketing

Telemarketing

Oi…

Quem fala?

É a Bruna…

É da Editora Abril?

Aqui é uma central de telemarketing e… é, tô trabalhando em nome da editora. Mas meu telefone não recebe chamada.

Raqueei.

Mas como…?

Aplicativo e um pouco de Google. Facinho. Você deve ter me ligado esta semana, uma Bruna me ligou.

Sobre renovação de assinatura?

Isso. Falei que não queria, depois que tava viajando, depois que tinha morrido e mesmo assim continuaram me ligando. Ontem, só de manhã, atendi quatro ligações com a mesma oferta que já recusei.

Mas é uma oferta…

Sei, irrecusável e feita exclusivamente pra mim e por isso tanta gente tá indignada com minha rejeição-viagem-morte que não para de me ligar.

A gente é paga pra isso.

Bruna, tô te ligando pra fazer uma contra-proposta. Pra você e seus superiores, gostaria que comunicasse a eles. Só pra registro: esta ligação está sendo gravada e não tenho número de protocolo, mas assim que abrir o processo ligo de novo pra informar. Trabalho em casa e dependo de cumprir algumas metas com meus clientes. Deixei de assinar a revista porque, além do conteúdo tendencioso não me agradar e não corresponder ao que entendo por informação de qualidade, estava sem tempo pra ler, justamente por conta do trabalho ter aumentando e o pagamento diminuído. Deve ter lido sobre isso na revista da outra editora. Se o tempo que eu gastava lendo a revista eu gasto hoje conversando com telefonistas, acho justo que a revista me pague o valor da assinatura, e não estou propondo 65% de desconto, porque não tenho condições de oferecer isso. Por outro lado, posso disponibilizar desculpas esfarrapadas muito originais pra cada ligação que for feita pra mim, o que por si só já é uma pechincha, porque trabalho com redação publicitária. O que me diz?

Gustavo Burla

Quadrilha

Quadrilha

Foram acostumados a reconhecer o santo pelo formato da fogueira: quadrada para Antônio, cônica para João, triangular para Pedro, nessa ordem. Eram acesas assim, com apenas dias de distância (a expressão de espaço sendo uma medida de tempo comum ali), de modo que, mal se apagava uma, e a lenha para a seguinte já precisava ser providenciada.

A de Antônio era um preparo; a de Pedro, um suspiro. Porque era a de João que realmente importava. Não por ser a do meio, mas por ser o meio. Segundo a tradição, contada de pai para filho à beira do fogo, ele fora originalmente aceso para que José avisasse Maria sobre o nascimento do menino que viria a ser o Batista, filho de sua prima Isabel. Compreensivas, as crianças entendiam, em silêncio, o porquê da grandiosidade daquela fogueira específica: não havia lenha que chegasse para tanto santo numa única história.

Aquele amontoado de madeira, de toras a gravetos, contudo, não seguia nenhum formato conhecido; nem na religião, nem na geometria. Talvez a base tivesse começado um pouco hexagonal, mas logo essa forma de significado oculto foi desfeita pelos tocos encostados quase verticalmente nela, com outros galhos finos de árvores sendo jogados por cima aleatoriamente, montando uma espécie de ninho gigantesco e expressionista. Sem reconhecer a qual santo era dedicada, o povo da vila não sabia se se preparava para o início dos festejos ou se deles se despedia.

Táscia Souza

Churrasco

Churrasco

da Vanízia

ANFITRIÃ: Que inventação de moda ridícula. Tinha que pensar antes que ia ter que levantar cedo pra arrumar mesa, ligar churrasqueira, separar carne… Que. Saco.

VIZINHA: Puta merda, isso é hora de varrer a área do churrasco? É só mais tarde, precisa ficar com essa barulheira?

AMIGA: Podia chover pra eu ter desculpa de não ir, inventar uma gripe, qualquer coisa assim, mas não tem uma nuvem no céu.

ANFITRIÃ: Queridas, fiquem à vontade, cerveja tá gelada no freezer, carne trago aos poucos pra mesa pra ter sempre quentinha.

VIZINHA: Que farofinha deliciosa, vizinha. Depois vou bater na sua porta pra pedir a receita.

AMIGA: Não acredito que você encomendou aqueles bombons que eu a-do-ro!

ANFITRIÃ: Bosta, não fica viv’alma pra ajudar a lavar os pratos. Da próxima vez vai ser tudo descartável.

VIZINHA: Que vinagretezinho porcaria. Vou lembrar dele a noite toda…

AMIGA: Vou virar vegana, nunca mais aceito um convite desses.

Gustavo Burla