Category Archives: Gustavo Burla

São.

Marido de aluguel

Marido de aluguel

Quando o telefone toca mais de duas vezes, a amiga desconfia. Do outro lado, vendo a bina, a amiga reluta.

— Oi, amiga, tá tudo bem?

— Tudo certo, eu tava longe do telefone.

— Olha, não deu mesmo, fui trocar a resistência e não consegui encaixar. Me empresta seu marido um pouquinho?

— Olha, amiga…Não posso…

— Ele tá ocupado? Não tem problema, pode ser mais tarde, deixo pra tomar banho na hora de dormir.

— Você não viu a postagem no Instagram, do nosso novo negócio?

— Jura, amiga!? Vi não! Que sucesso, vou olhar agora! Vocês começaram um negócio novo? Que maravilha conseguir uma empreitada assim no meio dessa cris… Ué? Marido de aluguel?

—  É. Todo mundo pede ajuda pro Jaime e… Fizemos umas contas e…

— Sério isso? Amiga, cê vai me cobrar pra emprestar o seu marido?

— Nem chama emprestar, né? Foi o jeito de complementar a renda, amiga…

— Mas… De mim…?

Silêncio constrangido dos dois lados da linha. Nenhuma das duas amigas tinha coragem de falar. Nenhuma das duas amigas tinha coragem de desligar. Até que:

— Tudo bem, fala pra ele vir quando puder.

— Ah, que alívio, amiga. Que bom que você entendeu.

— Fala também que vou cobrar o mesmo preço pelo que sempre faço com ele quando vem.

Gustavo Burla

Solução

Solução

para Ana Luísa Mariano

Vai dar tudo errado hoje, muitos compromissos para pouco tempo. E ainda essa chuva! Caramba, que dia, vou desistir da festa. Vontade de desistir de tudo!

Espere! O que é isso? Uma notificação no meu celular? Aplicativo Solução? O que é Solução? Vou baixar, do jeito que meu dia está, é mesmo do que preciso.

Basta fazer o cadastro, digitar o problema e ele resolve? Duvido, mas vou tentar. Vamos ver: quero que meu trabalho da faculdade fique pronto.

O que é isso no meu arquivo? O trabalho está pronto!

Ah, então quero outra solução, vamos ver… Quero lanchar uma lasanha!

Que apito foi esse no forno? E o cheiro… Hum… Ai! Tá quente, merda, queimei minha mão. Quero que pare de… Ai… Está difícil digitar… Quero que pare de doer.

Ó! Parou!

Ah, então vou para a festa! Vai dar tempo. Preciso passar na casa da minha namorada primeiro, para pegar minha gravata que ficou lá. Quero ir para a casa da minha namorada.

Ué? Ângela? E Mário…!?

Gustavo Burla

A farmácia

A farmácia

Do outro lado da rua tinha uma casa. Uma casa com velhos, quase sem movimentos, numa esquina. Um aviso de venda na porta chamou atenção. (Velho é assim: morre!)

Do outro lado da rua tinha um muro de tapumes. Terreno curto, mas entravam tratores, caminhões, materiais e pessoas. (Povo acha que progresso é fazer sombra na casa dos outros!)

Do outro lado da rua tinha uma farmácia com um estacionamento. Toda iluminada, o mais importante parecia ser testar as luzes, acesas por uma semana antes da inauguração (O que não falta é farmácia aqui, ninguém vai entrar nesse lugar!)

Do outro lado da rua tinha uma luz queimada. Queimada não: piscando. As outras acendiam e aquela piscava. A noite inteira. Piscava a noite inteira. (A noite inteira!)

Atravessei a rua e comprei um remédio para dormir.

Gustavo Burla