Category Archives: Hupokhondriakós

Sonhos

Sonhos

Aos cinco anos, seu sonho era que os primos maiores a deixassem participar pra valer do pique-esconde.

Aos dez, era ser um dos Power Rangers e não apenas a princesa na brincadeira.

Aos quinze, era passar em primeiro lugar no vestibular, que faria dali a dois anos.

Aos vinte, era se formar logo na faculdade e começar a trabalhar num ótimo emprego.

Aos vinte e cinco, era ganhar um salário alto e ser bem-sucedida na carreira

Aos trinta, era voltar a ser café com leite.

Táscia Souza

Noite de amores

Noite de amores

Tinha uns sete anos de idade quando voltava de um restaurante com meus pais. Deixaram minha avó na porta do prédio e ela perguntou se eu queria dormir com ela. Sim. Fiquei no carro.

Não disse que quer ir? foi meu pai que perguntou.

Fiquei no carro, queria dormir com ela, mas queria dormir com eles também. Minha avó se despediu e quando iam fechar a porta, disse que queria descer.

Da calçada, de mãos dadas com minha avó, carro começando a se mover, joguei meu brinquedo no chão e fiz manha: queria ir com eles. Carro parado, ré dada, porta aberta e minha mãe me olhando nos olhos: decida-se.

Treze anos depois, quando minha avó morreu, deixei de dormir na rua.

Gustavo Burla

Ao pé do ouvido

Ao pé do ouvido

Ela soltou um suspiro audível quando o sentiu entrar na cavidade úmida, a ponta macia roçando um ponto de sensibilidade aflorada bem lá no fundo. Os pelos da nuca se arrepiaram enquanto seus dedos o apertaram mais, intensificando o movimento. O vai e vem rodopiante, que a fazia fechar os olhos e encostar a testa no azulejo, durou alguns minutos, até que, com um último gemido, retirou-o de si e atirou a haste azul, agora com o algodão branco um pouco sujo de cera, na lixeira.

Táscia Souza