Category Archives: Táscia Souza

Com todos os ites que se possam imaginar.

Mesmo andar

Mesmo andar

Ela já havia achado seu lugar bem no fundo quando eles entraram, pouco antes de a porta se fechar. Elevador cheio, 30 andares, ela espremida num canto de trás. E o casal, no meio da briga. 

— Quer saber? É melhor mesmo você ir.

— Eu vou mesmo.

— Vai mesmo!

— Se você quer assim, vou mesmo. Mas não precisa me esperar de volta mesmo não. 

— Você está mesmo me ameaçando?

— Não é uma ameaça. Mas se você pensa que vou voltar com o rabo entre as pernas depois de você me mandar ir, você não me conhece mesmo.

A repetição da palavra mesmo era diretamente proporcional ao crescimento da raiva. A cada andar, os passageiros do cubículo de aço inoxidável murmuravam um pedido de licença aos dois (que nem se abalavam), antes de descerem, constrangidos. 

No 23°, só tinham sobrado ela, despercebida, e eles, acalorados. No 25°, quando o número se acendeu e as portas se abriram ao comando eletrônico que ela mesmo acionara ao apertar o botão ainda no térreo, baixou a cabeça para fingir que não era o seu e permanecer ali, para terminar de ouvir aonde chegaria mesmo aquela briga.

— Você vai mesmo virar as costas e sair assim?

No susto, ela só teve tempo de levantar os olhos e encarar as costas do segundo deles no corredor, enquanto as portas se fechavam.

Subiu mais cinco andares, atônita. E depois desceu 30, inconformada. E tornou a subi-los, inconsolável. Uma terceira margem no elevador, indo e vindo pelo edifício, à espera de que o casal voltasse, junto, para só então, aos olhos e ouvidos dela, terminar mesmo de se separar.

Táscia Souza

Ali na esquina

Ali na esquina

O convite era urgente e preciso: me encontre na Via Láctea, no terceiro planeta do Sistema Solar, aquele chamado Terra, daqui a 65 milhões de anos, quando a folhinha mostrar o período quaternário da era cenozoica.

Estarei esperando assim que o ponteiro pequeno do grande relógio marcar 2022 d.C. do calendário que se denominará gregoriano, e que o ponteiro grande estiver no algarismo 7 do sistema que se dirá arábico, e que o longo e fino ponteiro veloz girar do 18º numeral para o 19º do mesmo sistema.

Se ficar aflito no meio de 7,7 bilhões de pessoas, serei aquela de vestido azul e fita branca no cabelo, parada, à sua espera, no instante marcado, nem uma era a mais ou a menos.

Em breve. Bem na esquina.

Táscia Souza