Author Archives: hupokhondria

Dentes

Dentes

No mesmo dia em que o médico gritou “nasceeeeeu”, outro, lá fora, decretava o lockdown. E nada de visitas com beijinhos na mão, celebrações de batizado e festa de um ano. Vivia realmente isolada. Aos poucos, começou a sentir-se estranha, como se tivesse algo que ninguém mais ali tinha e, por isso, vivia quieta, com a boquinha fechada. 

Os pedidos eram muitos: “Sorri pra mamãe…”, “Sorri pra vovó”, mas ela escondia com medo da vergonha de decepcionar pelo que iriam encontrar os mascarados que a observavam. 

Sentiu-se feliz quando começou a usar a máscara também, não precisava disfarçar ou tentar esconder. Queria até dormir de máscara. Os pais, ainda que receosos, se tranquilizaram com o zelo que a criança tinha, quando nenhuma outra suportava. 

Todo seu incômodo se resolveu somente quando começou na escola. Por um descuido, a coleguinha retirou a máscara e, ao sorrir, viu apontar nela um pontinho branco, igual ao que nascia em si. 

Ufa! 

E foi assim que nunca mais parou de sorrir.

Mariana Virgílio

Quando crescer

Quando crescer

— O que você quer ser quando crescer?
— Quero ser aeromoça, professora.
— Por quê?
— Pra viajar bastante e conhecer muita gente diferente.
— E você, vai ser o que quando crescer?
— Motorista de caminhão.
— Por quê?
— Um caminhão é muito grande e chega num monte de lugar diferente. Muito grande.
— E você, o que quer ser quando crescer?
— Escritor.
— Por quê?
— Pra ser igual meu pai, professora.
— O seu pai é escritor? Que legal.
— Sempre foi, desde o colégio, igual eu. — Só que os textos dele ficaram na gaveta.
— Não entendi.
— Ele é marceneiro.

Gustavo Burla

Beijo de língua

Beijo de língua

Que língua bonita.

O palito ficou muito tempo na boca e a lanterna investigou com minúcia a garganta, quando pôde falar já não se lembrava da inflexão do comentário, se com intenção estética, fisiológica ou libidinosa. A conversa mudou de rumo e o relacionamento foi imediato. Nem tempo de pedir em namoro houve. Cinema, restaurante, cama e dá-lhe língua. Lambidas, laços, ires e vires por todos os lugares. Havia uma fascinação muscular ali.

Tempo de apresentar o namoro à família também não houve, o cadáver foi encontrado sem língua antes dele reparar que a frase no consultório tinha inflexão gastronômica.

Gustavo Burla